Necessidade

Poética existencial 
Jorge Bezerra

Não escrevo porque gosto

mas porque preciso

assim como também

não respiro por escolha própria

mas porque me é imposto...

 

Não faço a poética que quero

mas a que me impõe a vida,

a rudeza crua dos fatos

 

Não fujo para o universo das palavras

para um jogo lírico de enlevado prazer

nelas me escondo, me guardo, me protejo

 

Não sou poeta porque canto,

canto para não morrer!

swipe

Deixe seu comentário