Soneto da paz comprada

Jorge Bezerra

A minha paz é comprada

Com efeito, pago bem

Não me envergonho do preço

E lamento quem não a tem

 

Não entendo esse comércio

Que apregoam os boas praça

De que os melhores remédios

São os que se vendem de graça

 

Prefiro correr a vida sem susto

Sem servir a pataca e ao vintém

Um bom contrato tem o seu custo

 

E um bom distrato também

Se paguei preço robusto

Não devo nada a ninguém!